quinta-feira, abril 28, 2016

Início e História do culto Mariano em Portugal

A devoção de Portugal a Maria teve início no momento em que a nação nasceu, isto no século XII. Afonso Henriques, fundador do reino e Primeiro rei de Portugal, colocou o seu país sob a proteção de Nossa Senhora, por meio de uma promessa solene, assinada na Catedral de Lamego, no dia 28 de Abril de 1142, sendo esta data considerada como a do batismo de Portugal, denominado “Terra de Santa Maria”. Quando a cidade de Santarém foi retomada aos Mouros, alguns anos mais tarde, Afonso fez com que se construísse um mosteiro dedicado à Virgem, Santa Maria de Alcobaça.
A piedade mariana portuguesa é particularmente marcada pelas peregrinações, os chamados círios, cujos peregrinos em cada ano, levam uma vela ao altar da Virgem, sendo o círio da Virgem do Cabo, no Cabo Espichel, um dos mais antigos círios portugueses. Outra particularidade em relação ao culto mariano é a de que todas as catedrais são dedicadas à Nossa Senhora da Assunção, bem como cerca de um terço das igrejas paroquiais. Isto decorre do facto de que muitas datas históricas importantes coincidem com a festa de Nossa senhora da Assunção.
A 25 de Março de 1646, Nossa Senhora da Imaculada Conceição é nomeada oficialmente Protetora de Portugal, por decreto real, que ratificou a decisão das Cortes, em agradecimento à independência da nação na oitava de 8 de Dezembro de 1640. Desde então, todas as grandes instituições portuguesas, incluindo as universidades, decidiram defender o dogma da Imaculada Conceição antes da proclamação do Dogma pela Igreja, em 1854.
O santuário de Nossa Senhora de Fátima é o centro de devoção mariana mais célebre e mais frequentado do país. Santuário de renome mundial situado no local da aparição da Virgem Maria aos Pastorinhos, e onde a Santíssima Virgem fez essencialmente três pedidos ao mundo: a devoção ao seu Coração Imaculado para preservar os pecadores do inferno e para a paz; a consagração ao seu Imaculado Coração para a conversão da Rússia; a comunhão reparadora no primeiro sábado de cada mês. Devido aos acontecimentos de Fátima é reconhecida a proteção milagrosa por intercessão de Maria, e pela profunda devoção dos seus filhos portugueses a nação ficou fora da última guerra mundial causadora de tantos estragos no resto da Europa cristã. Proteção reconhecida pelo papa Pio XII em 1946, quando coroando a estátua de Nossa Senhora de Fátima, pôde afirmar: “A guerra mais terrível que devastou o mundo esteve, durante quatro longos anos, rondando as vossas fronteiras, sem jamais conseguir atravessá-las; vós deveis este milagre a Nossa Senhora, que, de seu trono de misericórdia [...], situado em Fátima, no centro do vosso país, velava por vós e pelos vossos governantes...”
Por ocasião das festas da coroação de Nossa Senhora de Fátima, a Virgem peregrina esteve em todas as paróquias do país durante 32 dias e grandes multidões vinham aclamá-la ao longo das estradas.
Rolando Santos

Sem comentários:

Palavra 100