sexta-feira, janeiro 28, 2011

DIA DO DOENTE

6 de Fevereiro de 2011
15 horas

Missa do doente
com a celebração da unção dos enfermos

Igreja Matriz de Santa Maria de Loures

Todos são convidados a dar amor e atenção aos doentes e idosos (seus familiares, vizinhos ou que vivam num lar próximo), a visitá-los levando-lhes o convite para a celebração do doente e a acompanhá-los ou torná-los presentes na celebração.

No fim da celebração faremos um pequeno lanche, com um chá quente para todos os presentes.

Se for preciso o transporte para a missa em viatura especial, os Bombeiros Voluntários de Loures podem apoiar a deslocação para a Igreja, devendo para isso contactar-se o Centro Paroquial de Loures ou o Grupo “Dar a mão” através do número 962649189 (Arlinda Oliveira).

Visitas aos doentes

O grupo de visitadores de doentes “dar a mão” não pretende substituir a família nem apoios institucionais, mas apenas dar algum conforto e acompanhamento à pessoa doente. Para ser visitado contacte Arlinda Oliveira (T: 962649189).

A celebração do dia do doente

Neste ano pastoral que tem como meta geral a ajuda ao outro, em que já vivemos os valores da alegria na missão durante a Semana da Padroeira, da partilha no magusto e levámos ânimo ao outro em Janeiro com o canto das janeiras, propomos a vivência do valor “dar atenção” no mês de Fevereiro.

Com esta acção queremos que o povo, ao participar na Eucaristia e no sacramento da Santa Unção, experimente a riqueza de dar atenção aos irmãos, nomeadamente os que de alguma forma estão fragilizados.

E porquê?

Porque existem na Paróquia de Loures pessoas doentes que precisam de receber atenção da comunidade, é necessário promover momentos em que o povo no seu conjunto se sinta sensibilizado para os ajudar. Em anos anteriores, os doentes mostraram agrado por terem participado nestas celebrações comunitárias.

Porque reconhecemos ser essa a vontade de Deus: “Senhor, quando é que Te vimos com fome e Te demos de comer, ou com sede e Te demos de beber? Quando é que Te vimos peregrino e te recolhemos, ou sem roupa e Te vestimos? Quando é que Te vimos doente ou na prisão e Te fomos ver? E o Rei lhes responderá: Em verdade vos digo: Quantas vezes o fizestes a um dos meus irmãos mais pequeninos, a Mim o fizestes” (Mt. 25, 37- 40).

E porque é importante que a Paróquia dê resposta às necessidades espirituais de quem sofre, nomeadamente por motivos de doença.

Disseram acerca do cantar as janeiras:

"Gostei mesmo muito das janeiras! Foi fantástico! Tanto as janeiras como os magustos dão mais valor à nossa terra. As pessoas que foram visitadas ficaram muito comovidas e agradecidas com este convívio, pois costumam estar muito metidas em casa."

Cristina Nunes, Murteira

“Foi muito bonito! Nem em todos os lados se faz isto. As pessoas que estavam no restaurante também gostaram muito. A música era muito boa, foi tudo muito interessante.”

Sérgio Paulo Frutuoso, Marzagão (Pátio de Santa Maria)

“Foi um grupinho muito bom, conseguimos atingir o objectivo que para mim era não deixar cair a tradição e explicar às crianças o que é isto das janeiras. Foi um momento em família, o que é sempre muito agradável.”

Susana Ribeiro, Pinheiro de Loures

“A camaradagem foi maravilhosa. É muito bom para a gente ficar mais amigos uns dos outros. Para o ano cá estarei de novo se Deus quiser.”

Florinda Antunes, Bairro da Milharada

“Achei muito bem, foi fora do vulgar e muito animador. As pessoas precisam mesmo de ser animadas, pois anda tudo muito triste. Também a música foi muito bonita.”

Maria de Lurdes Dias, Loures

“Foi muito bonito. Gostei por ser uma tradição antiga, lembrou-me a minha terra. É muito bom para juntar as pessoas e um copinho também ajuda à festa. Deus queira que venham sempre cantar as janeiras à minha casa.”

Gabriela Vicente, Mealhada

“Gostei muito das janeiras, lembro-me do que se fazia no Fundão: cantavam às portas e chamavam as pessoas para se juntarem à cantoria. Havia bolinhos, figos, ginjinha… Muito bom!”

Maria dos Anjos Amaro, Barro

domingo, janeiro 16, 2011

Mais imagens das janeiras




















































O percurso das janeiras continua...
agora pelas terras de
Pinheiro de Loures, Bairro da Milharada/Sete Casas, Marzagão, Murteira e Barro.
Cantamos e dançamos,
sorrimos e bailamos
e animados, aquecemos os ânimos.